Este site usa cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website concorda com o seu uso. Para saber mais, leia a nossa Política de Cookies.

Silenciosos… mas nem tanto

Silenciosos… mas nem tanto

Os veículos elétricos já não são tão silenciosos como eram. Mas só nas manobras e a baixas velocidades.

Os automóveis elétricos têm fama (e proveito) de serem pouco ou nada ruidosos. A questão é que, na estrada, o silêncio pode causar acidentes, nomeadamente junto dos peões, ciclistas e todos aqueles que se encontrem a fazer desporto junto à via pública. E, acima de tudo, os invisuais. O ruído do motor sempre foi uma ferramenta fundamental para que pudessem tomar o pulso ao trânsito e assim evitar alguns acidentes. Um estudo (de 2017) da associação britânica de cães-guia, a Guide Dogs, mostrava que os peões tinham uma probabilidade 40% maior de serem atropelados por um híbrido ou elétrico do que por um carro a gasolina ou diesel.

Foi essa a principal razão para que os Estados Unidos e a União Europeia tenham determinado que o barulho produzido pelos carros que circulam em modo elétrico não se podia limitar ao ruído de rolamento. Desde 1 de julho de 2019 todos os veículos saem de fábrica com um gerador de aviso acústico – o nome oficial é AVAS (Acoustic Vehicle Alerting System) –, que tenta precisamente reproduzir o ruído dos motores a gasóleo e gasolina. 

Como é que funciona?

O problema maior não estava relacionado com a condução a altas velocidades, mas sim com as manobras e circulação a baixa velocidade. É aí que o sistema entra em funcionamento, sendo ativado automaticamente até atingir os 20 quilómetros por hora ou quando for realizada a manobra de marcha atrás. A intensidade do som está em conformidade com o comportamento do carro (a velocidade e a direção de marcha) e está situada entre os 56 e os 75 decibéis, que são os valores produzidos por um motor convencional. A partir dessa velocidade, o sistema desliga-se e volta o silêncio. No caso de veículos híbridos que tenham um motor de combustão interna, o AVAS não terá de gerar qualquer tipo de som quando a hélice térmica estiver em operação (e, portanto, fazendo barulho).

E quem tiver um elétrico mais antigo, ainda sem o sistema sonoro? Tem até ao dia 1 de julho deste ano para colocar.

Main Sponsor

Electric Partners


Ecosystem Partners


Apoio Institucional